Treine Para Vencer!

Artigos

Physiological responses during an incremental exercise test performed on underwater stationary bike (2016)

Resumo / Abstract

Purpose: Cycling underwater is a low impact physical activity that has became popular workout due to capability

to enhance physical fitness. The aim of this study was to determine the relationship between pedal cadence with

heart rate (HR) and oxygen uptake ( VO2) during incremental exercise test in a novel adjustable resistance bike

underwater. Methods: Fifteen participants completed three incremental cycling tests in a random order. Each test began at 50

revolutions per minute (RPM) and increased 3 RPM every minute until volitional exhaustion. The bike has the unique

ability to manipulate the frontal surface area (FSA) of the blades providing three different resistance settings for the

same RPM (FSA1 = 500 cm2, FSA2 = 580 cm2, and FSA3 = 660 cm2). Results: The findings indicated a strong linear relationship

between RPM vs. % VO2peak and RPM vs. %HRpeak in all FSA conditions ( r = 0.98–0.99). In addition, the results

showed a significant lower peak cadence for the FSA3 setting compared to the other conditions ( p\0.05).

However, there were no differences in maximal physiological responses between all frontal area conditions.

Reproducibility and validity of the PowerCal device for estimating power output during sprints in well-trained cyclists (2015)

Resumo / Abstract

BACKGROUND: The PowerCal device purports to effectively estimate power output (PO) using an algorithm computed from the HR response recorded during exercise.
OBJECTIVE: To assess the reproducibility and validity of PO estimation using the PowerCal during sprints.
METHODS: Ten well-trained male cyclists (maximal oxygen uptake −62.7 ± 5.9 ml · kg−1 · min−1) performed four separate experimental trials over a two-week period. Cyclists completed an incremental exercise test until volitional exhaustion followed by three maximal sprint sessions on separate days. Each sprint session consisted of 3 repeated maximal-effort sprints (15, 30, and 45 s) formatted with an effort/recovery duration ratio of 1:5.
RESULTS: Peak power output (PPO) and mean power output (MPO) of the PowerCal showed high within-subject variation (6.7 to 21.5%) and low to high intra-class coefficient of correlation (ICC = 0.39 to 0.85). Furthermore, the PPO from PowerCal was underestimated by 6.6 to 13.9% and the MPO by 14.9 to 27.6% when compared to the Velotron. Furthermore, the data exhibited high bias (32 W to 129 W) and large confidence limits (−236 to 315 W) between the PO derived from the Powercal and the Velotron.
CONCLUSION: We do not recommend competitive cyclists or sport scientists to use the PowerCal if reliable and valid PO information is required during maximal sprints.

Effects of a Seven Day Overload-Period of High-Intensity Training on Performance and Physiology of Competitive Cyclists (2014)

Resumo / Abstract

Objectives: Competitive endurance athletes commonly undertake periods of overload training in the weeks prior to major competitions. This investigation examined the effects of two seven-day high-intensity overload training regimes (HIT) on performance and physiological characteristics of competitive cyclists.

Design: The study was a matched groups, controlled trial. 

Methods: Twenty-eight male cyclists (mean ± SD, Age: 33 ± 10 years, Mass 74 ± 7 kg, VO2 peak 4.7 ± 0.5 L.min-1) were assigned to a control group or one of two training groups for seven consecutive days of HIT. Before and after training cyclists completed an ergometer based incremental exercise test and a 20-km timetrial. The HIT sessions were ,120 minutes in duration and consisted of matched volumes of 5, 10 and 20 second (short) or 15, 30 and 45 second (long) maximal intensity efforts.

Results: Both the short and long HIT regimes led to significant (p<0.05) gains in time trial performance compared to the control group. Relative to the control group, the mean changes (± 90% confidence limits) in time-trial power were 8.2% ± 3.8% and 10.4% ± 4.3% for the short and long HIT regimes respectively; corresponding increases in peak power in the incremental test were 5.5% ± 2.7% and 9.5% ± 2.5%. Both HIT (short vs long) interventions led to non-significant (p>0.05) increases (mean ± SD) in VO2 peak (2.3% ± 4.7% vs 3.5% ± 6.2%), lactate threshold power (3.6% ± 3.5% vs 2.9% ± 5.3%) and gross efficiency (3.2% ± 2.4% vs 5.1% ± 3.9%) with only small differences between HIT regimes. 

Conclusions: Seven days of overload HIT induces substantial enhancements in time-trial performance despite non-significant increases in physiological measures with competitive cyclists.

Test–retest reliability of second lactate turnpoint using two different criteria in competitive cyclists (2014)

Resumo / Abstract

The aim of this study was to determine the relative and absolute reliability of second lactate turnpoint using fixed and individual blood lactate method in competitive cyclists. Twenty-eight male, well-trained cyclists (30.2 ± 10.1 years, 72.0 ± 7.4 kg, 177.3 ± 4.7 cm) were recruited to participate in this study. Cyclists completed two incremental cycling tests to exhaustion over a period of 7 days to determine their peak power output, maximal oxygen uptake, maximal heart rate, maximal blood lactate concentration and two lactate turnpoint criteria. The fixed blood concentration criterion (3.5 mM) and an individual criterion were assessed by a lactate-power curve, considering power output, heart rate and oxygen uptake. The main finding of this study was that both lactate turnpoint criteria showed identical low within-subject variation for power output (2.8% coefficient of variation). High values for test–retest correlations ranging from r = 0.70 to r = 0.94 were found for all variables in both threshold criteria. In conclusion, the individual and fixed method to determine the second lactate turnpoint showed similar high absolute and relative reliability in competitive cyclists.

Efeitos do treinamento intervalado em variáveis fisiológicas e na performance de ciclistas competitivos (2014)

Resumo / Abstract

Objetivo. O presente estudo teve como objetivo analisar os efeitos de diferentes métodos de treinamento intervalado (TI) nos parâmetros fisiológicos e no desempenho de ciclistas competitivos.

Método. A classificação dos métodos de TI foram: a) sub-máximo (TIsub), b) máximo (TImax) e c ) supra-máximo (TIsup). A estratégia de busca incluiu os seguintes termos: treinamento intervalado, treinamento intervalado em ciclistas, treinamento intervalado de alta intensidade, treinamento intervalado de alta intensidade em ciclistas e sprint. Foram consultadas as seguinte bases de dados: PubMed, Google Scholar e SPORTDiscus. Para isso, foi realizada uma pesquisa entre julho de 2011 e fevereiro de 2012.

Resultados. Dentre as diferentes metodologias de TI em ciclistas competitivos, todos os métodos foram suficientes para demonstrar melhorias na potência aeróbia máxima (Pmax), consumo máximo de oxigênio (VO2max), limiares fisiológicos, tempo de exaustão (Tlim) e contra-relógio de 40 km no ciclismo (CR40km ) em ciclistas competitivos.

Conclusão. Portanto, os três métodos de TI demonstraram que são necessárias de 6-8 sessões de treino durante um período de 4-6 semanas para se obter ganhos nas variáveis fisiológicas e na performance em ciclistas competitivos.

Effects of caffeine chewing gum on race performance and physiology in male and female cyclists (2014)

Resumo / Abstract

This investigation reports the effects of chewing caffeinated gum on race performance with trained cyclists. Twenty competitive cyclists completed two 30-km time trials that included a maximal effort 0.2-km sprint each 10-km. Caffeine (~3–4 mg · kg−1) or placebo was administered double-blind via chewing gum at the 10-km point following completion of the first sprint. Measures of power output, oxygen uptake, heart rate, lactate and perceived exertion were taken at set intervals during the time trial. Results indicated no substantial differences in any measured variables between caffeine and placebo conditions during the first 20-km of the time trial. Caffeine gum did however lead to substantial enhancements (mean ± 90% confidence limits (CLs)) in mean power during the final 10-km (3.8% ± 2.3%), and sprint power at 30-km (4.0% ± 3.6%). The increases in performance over the final 10-km were associated with small increases in heart rate and blood lactate (effect size of 0.24 and 0.28, respectively). There were large inter-individual variations in the response to caffeine, and apparent gender related differences in sprint performance. Chewing caffeine gum improves mean and sprint performance power in the final 10-km of a 30-km time trial in male and female cyclists most likely through an increase in nervous system activation.

Predição da performance de corredores de endurance por meio de testes de laboratório e pista (2014)

Resumo / Abstract

Os objetivos deste estudo foram: determinar e comparar índices fisiológicos obtidos em teste de laboratório e pista (teste de pista da Universidade de Montreal - UMTT) em corredores de endurance; analisar a capacidade de predição do VO2max, vVO2max e LAn determinados no laboratório e no UMTT para a performance nas distâncias de 1.500 m, 5.000 m e 10.000 m; analisar os efeitos da distância da prova na relação entre os índices fisiológicos VO2max, vVO2max e LAn com a performance. Participaram deste estudo, 10 corredores moderadamente treinados que realizaram os seguintes testes: provas simuladas nas distâncias de 10.000 m, 5.000 m e 1.500 m; dois testes incrementais máximos (laboratório e pista) para determinar os índices VO2max, vVO2max e LAn. Não houve diferenças significativas entre o VO2max, vVO2max e LAn determinados em ambos os protocolos. De acordo com a análise de regressão múltipla, referente ao teste de laboratório, a vVO2max foi a única variável selecionada para explicar a performance nas provas de 1.500 e 5.000 m (62 e 35%, respectivamente). Do mesmo modo, dentre as variáveis determinadas no UMTT, somente a vVO2max explicou a performance nestas distâncias (78 e 66%, respectivamente). Por outro lado, o LAn determinado no laboratório e no UMTT explicou 38 e 52% da performance nos 10.000 m, respectivamente. Pode-se concluir que a predição da performance aeróbia de corredores de endurance moderadamente treinados, a partir do VO2max, vVO2max e LAn, determinados em laboratório e no UMTT, é dependente da distância da prova analisada.

Time to exhaustion at and above critical power in trained cyclists: The relationship between heavy and severe intensity domains (2013)

Resumo / Abstract

Objectives. — The aim of this study was to determine the physiological responses and time to exhaustion, at critical power and 5% above, in trained cyclists.

Equipments and methods. — Eleven male cyclists completed an incremental test, three constant work rate tests to exhaustion to determine critical power (CP), and finally two tests until exhaustion at CP and CP plus 5%.

Results. — The modeling of the power-inverse time relationship provided a mean critical power of 295 ± 39 W. Time to exhaustion at critical power was significantly higher than 5% above (22.9 ± 7.5 min versus 13.3 ± 5.8 min). Oxygen uptake, pulmonary ventilation, and blood lactate obtained at the end of the CP plus 5% exhaustion trial were not significantly different from the maximal variables. However, the physiological end values during the CP test were significantly lower compared to the incremental test.

Conclusions. — These data support the idea that CP in trained cyclists is the physiological index that estimates the boundary between heavy to severe exercise domains. Thus, when cyclists exercised at a power output 5% higher than CP, the VO2max was reached at the end of exercise.

Máximo estado estável de lactato estimado por diferentes métodos de determinação do limiar anaeróbio (2012)

Resumo / Abstract

O objetivo deste estudo foi determinar e comparar o limiar anaeróbio (LAn) obtido por quatro diferentes métodos com o máximo estado estável de lactato (MLSS) em corredores de endurance. Nove corredores moderadamente treinados realizaram, em diferentes dias, os seguintes testes: um teste incremental máximo para determinação do consumo máximo de oxigênio (VO2max), velocidade correspondente ao VO2max (vVO2max) e resposta do lactato sanguíneo e; dois a cinco testes de intensidade constante, com 30 min de duração, para determinação do MLSS. A partir do teste incremental, foram utilizados quatro métodos de determinação do LAn: LAn1 - velocidade correspondente a [La] fixa de 3,5 mmol.L-1; LAn2 - velocidade referente a [La] do menor equivalente [La]-velocidade somado com 1,5 mmol.L-1; LAn3 - velocidade correspondente ao Dmax;
LAn4 - velocidade anterior ao segundo incremento consecutivo de [La] maior que 0,5 mmol.L-1. Não existiram diferenças significativas entre o MLSS e o LAn determinado pelos quatro métodos estudados. Entretanto, a análise de Bland-Altman expressou a extensão da discordância entre as variáveis quando os sujeitos foram analisados individualmente. Houve correlações significativas entre MLSS e LAn1 (r = 0,68; p = 0,04) e entre MLSS e o LAn2 (r = 0,79; p = 0,01). Assim, apesar de não haver diferença significativa entre os métodos de determinação do LAn com o MLSS, deve-se ter cautela para utilizá-los de
forma intercambiável.

Reproducibility of Cycling Time to Exhaustion at VO2max in Competitive Cyclists (2011)

Resumo / Abstract

The purpose of this study was to examine the reproducibility of cycling time to exhaustion (Tmax) at maximum oxygen uptake (VO2 max) in competitive cyclists. Seventeen subjects (age, 36.9 ± 7.8 yrs; body mass, 71.1 ± 10.1 kg; height, 1.73 ± 0.8 cm; body fat, 13.1 ± 5.7 %; VO2 max, 54.7 ± 9.0 ml?kg-1?min-1) performed an incremental exercise test and two Tmax tests. While cycling time to exhaustion was correlated for both Tmax tests (r = 0.80, p = 0.01), the Tmax2 test (238.6 ± 33.5 sec) was significantly higher than the Tmax1 test (223.2 ± 31.3 sec, p < 0.02). Similarly, heart rate to exhaustion was correlated for both Tmax tests (r = 0.89, p = 0.01) but the difference failed to have any practical value (Tmax1 = 182 ± 8 vs. Tmax2 = 183 ± 7 bpm). The blood lactate peak from the first test (10.8 ± 2.0 mmol?l-1) was also correlated (r = 0.63, p = 0.07) without a significant difference between the two tests (9.8 ± 1.5 mmol?l-1). VO2 peak for the first test (56.5 ± 9.1 ml?kg-1?min-1) was strongly correlated (r = 0.94, p = 0.06) and did not differ from the second test (54.6 ± 7.8 ml?kg-1?min-1). These data demonstrate that the time to exhaustion (Tmax) at VO2 max in a series of two cycling tests is significantly greater than the first.

Physiological Correlates of 10-Km Up-hill Cycling Performance in Competitive Cyclists (2011)

Resumo / Abstract

The purpose of this study was to verify the relationship between several physiological variables and performance during simulated up-hill road cycling time trial on the field in competitive cyclists. Fifteen cyclists (35.1 ± 7.0 yrs; 68.4 ± 7.7 kg; 1.73 ± 0.1 cm; 8.5 ± 1.0% of body fat; 57.9 ± 8.2 ml·kg-1·min-1) performed an incremental exercise test and 10-km up-hill cycling time trial using a power meter device fitted on the cyclist bicycle. Highly significant relationships were obtained between average power output during 10-km cycling time trial normalized to body mass and 10-km cycle time (-0.85; -0.80; P<0.01). VO2 max·kg-1 was also significant associated with 10-km cycle time (-0.69, P<0.05). We concluded that for competitive cyclists the average power output during 10-km cycling time trial and VO2 max both normalized to body mass are strongly associated with performance cycling time during 10-km up-hill cycling time trial simulated on the field.

A resposta de frequência cardíaca durante as competições de “mountain bike cross-country” (2010)

Resumo / Abstract

O objetivo deste estudo foi verificar a resposta de frequência cardíaca (FC) durante as competições de “Cross-country” Olímpico (XCO). Quatorze “mountain bikers” foram separados em dois grupos: elite (n = 6; 26,5 ± 3,6 anos; 69,1 ± 2,1 kg; 174,0 ± 1,2 cm; 5,9 ± 0,9 % G; 9,0 ± 1,3 anos de treinamento) e amadores (n = 8; 25,6 ± 7,7 anos; 67,7 ± 7,0 kg; 175,5 ± 5,5 cm; 5,8 ± 2,1 % G; 8,3 ± 5,7 anos de treinamento). Os participantes foram submetidos a um teste progressivo para a identificação dos limiares metabólicos e seus respectivos valores de frequência cardíaca (FC) em cada zona de intensidade de esforço. Após intervalo mínimo de quatro dias os atletas da categoria elite foram avaliados através de monitores de FC durante a etapa brasileira da Copa do Mundo de XCO. Após 15 dias, todos os atletas foram avaliados no Campeonato Brasileiro de XCO. Os resultados indicaram que em ambas as competições, a média percentual da FC foi correspondente a 91-92 % da FCmáx. Nas competições, os atletas permaneceram durante diferentes tempos percentuais nas zonas de intensidade de esforço sendo 10,0-14,8% no domínio leve; 23,1-30,1% moderado e 55,1-66,9% intenso. Assim, este estudo apresenta que as competições de XCO são realizadas em alta intensidade, principalmente após a largada.

Aspectos Morfológicos e Fisiológicos no Ciclismo de Estrada e Mountain Bike Cross-Country (2009)

Resumo / Abstract

As competições de ciclismo podem ser divididas basicamente em dois formatos: contra-relógio e estrada. Já o Mountain Bike (MTB) é caracterizado por ser disputado em diferentes tipos de trilhas e estradas de terra. Na tentativa de sintetizar os recentes estudos científicos no ciclismo e MTB, foi descrita esta breve revisão sobre aspectos morfofisiológicos de atletas de ambas as modalidades. Percebe-se que os ciclistas especialistas em etapas planas são altos e fortes (variação de 180 a 185 cm de altura, 70 a 75 kg de massa corporal), sendo estatisticamente significativa (p < 0,05) a diferença dos especialistas em montanhas (175-180 cm, 60-66 kg). Especula-se que as características morfológicas dos especialistas em montanhas são semelhantes aos mountain bikers (178 ±0,1 cm de altura, 65,3 ± 6,5 kg de massa corporal, média e desvio padrão). Alguns estudos verificaram que os ciclistas atingiram a potência aeróbia máxima (Wmáx) significativamente mais alta que os mountain bikers em valores absolutos e relativos à massa corporal (p < 0,05). Em contraste, outros demonstraram que os atletas de MTB apresentam a Wmáx e consumo de oxigênio de pico (VO2pico) relativo à massa corporal significativamente mais alto que os ciclistas (P = 0,03). Assim, o conflito relatado na literatura sobre as características morfofisiológicas de ciclistas e mountain bikers, se expande além das diferenças metodológicas encontradas nos estudos, sendo que talvez estejam presentes no nível competitivo e de treinamento dos diferentes atletas investigados. Dessa forma, entendemos que a interpretação das informações apresentadas serve como referências para os treinadores realizarem a prescrição do treinamento de ciclistas e mountain bikers.

Physiological variables do predict performance in cross-country mountain bike races (2008)

Resumo / Abstract

Mountain bike (MTB) is a recent sport derived from cycling with little information about the athletes and races. The aim of this study was to identify the morph-physiological characteristics in Elite MTB athletes and the physiological variables associated in performance during Cross-country Olympic (XCO) races. Six Elite mountain bikers (26.5 ± .6 years; 69.1 ± 2.1 kg; 174.0 ± 1.2 cm; 5.9±0.9 % body fat estimated; 9.0 ± 1.3 years of training) were included in this study. The participants were submitted to the Wingate test and an incremental progressive exercise. Then they were evaluated during the XCO World Cup and XCO Brazilian National Championship. The results indicate that riders presented similar morphologic characteristics to the internationalathletes. However, the sub-maximal and maximal power outputs are lower. The maximal power output (Wmax) relative to body mass was significantly associated with performance in two races. The power at second lactate threshold (WLL2) was only significantly correlated in XCO World Cup when normalized to exponent of mass 0.79. Therefore, the results of this study provide the support to the use of the Wmax and WLL2 in the physiological assessments of mountain bikers. Furthermore, the body size should be taken into account to evaluate off road cyclists.

Aspectos Fisiológicos e de Treinamento de Mountain Bikers Brasileiros (2007)

Resumo / Abstract

As decisões sobre estratégias de treinamento requerem o conhecimento sobre as variáveis determinantes da performance e das características dos atletas. No Mountain Bike (MTB), verifica-se um crescimento do número de atletas e de competições de alto nível, restando a necessidade de uma descrição de variáveis associadas a esta evolução. O objetivo deste estudo foi descrever aspectos fisiológicos, nutricionais e de treinamento desportivo em mountain bikers brasileiros. Vinte e nove mountain bikers receberam um questionário com perguntas sobre nutrição e treinamento desportivo. Em seguida, foram submetidos a um teste progressivo no ciclosimulador, com 90 – 110 rpm (rotações por minuto), com carga inicial de 100 W e incremento de 30 W a cada três min, até a exaustão. A freqüência cardíaca (FC) foi registrada durante todo o teste. As características dos participantes revelam que o grupo apresenta os valores de carga máxima aeróbia (Wmáx 15,6 ± 34,7 W) e carga no ponto de deflexão da freqüência cardíaca (WPDFC 258,2 ± 35,6 W) inferiores aos atletas da elite internacional no MTB. Muitos atletas não apresentam acompanhamento de profissional habilitado, além de não serem submetidos à avaliação física, o que implica na baixa utilização de variáveis fisiológicas para prescrição e controle do treinamento. 83% utilizam suplementos alimentares sem uma prescrição profissional. Apesar da evolução e da quantidade de informação específica sobre o MTB, os dados obtidos indicam que grande parte dos mountain bikers brasileiros continua treinando de forma artística, em discordância com o treinamento desportivo contemporâneo.

Identificação do Ponto de Deflexão da Freqüência Cardíaca em Mountain Bikers (2007)

Resumo / Abstract

O objetivo deste estudo foi identificar o PDFC em mountain bikers. Foram selecionados 18 mountain bikers que disputam campeonatos estaduais e nacionais (24,4 ± 9,0 anos; 65,2 ± 5,5kg; 173,8 ± 6,7cm; 8,2 ± 2,6%G). Os atletas foram submetidos ao protocolo de cargas progressivas no ciclo-simulador. O teste foi iniciado com carga de 100W e incremento de 30W a cada estágio de 3min., até a exaustão. A FC foi monitorada durante todo o teste. O PDFC foi identificado pelo método Dmax (KARA et al., 1996). A resposta da FC apresentou três comportamentos distintos durante o teste progressivo: PDFCc (convencional)- 45%, PDFCi (invertido) - 33% e comportamento linear - 22%. Com esta divisão, o estudo procurou comparar as diferenças entre o PDFCc e o PDFCi (teste t). A principal diferença entre os grupos, está em relação a intensidade em que é observada a deflexão, pois a Wdmax apresenta uma diferença de aproximadamente 60 W, ou seja, o PDFCi é alcançado em intensidades absolutas inferiores ao PDFCc. Em adição, os valores percentuais de potência (W) e FC são bem discrepantes, o que pode causar diversas dúvidas quanto a identificação e utilização desta variável. Assim, foi possível a identificação do PDFC (PDFCc +PDFCi) em 78% dos mountain bikers, sendo que o grupo PDFCc apresenta valores absolutos e percentuais em relação a Wdmax e FCdmax, superiores sobre o PDFCi. Desta forma, deve-se ter cautela quanto à interpretação dos resultados e à utilização prática em situações de prescrição de treinamento a partir destas variáveis.

Teste de Conconi adaptado para bicicleta aquática (2007)

Resumo / Abstract

A prática regular de exercícios físicos tem sido considerada um dos mecanismos que auxiliam a melhoria de padrões da saúde e de qualidade de vida. Em conseqüência do crescimento da procura por academias de ginástica, as atividades físicas no meio líquido, com destaque para a bicicleta aquática, têm aumentado nos últimos anos. No entanto, há ainda carência de métodos para a avaliação e prescrição do treinamento aeróbio neste tipo de equipamento. O objetivo deste estudo foi propor uma adaptação do teste de Conconi et al. (1982) para bicicleta aquática. Foram testados 27 participantes (24 ± 6 anos, 171 ± 8cm, 66 ± 12kg) 15 do sexo masculino e 12 do feminino. Os participantes foram submetidos a um teste progressivo, realizado em bicicleta aquática, com carga inicial de 50RPM e incremento de 3RPM a cada minuto, até a exaustão. A FC foi registrada durante todo o teste. Para análise dos dados, foi utilizada estatística descritiva e o teste “t” de Student (P < 0,05) para comparação entre os sexos. O ponto de deflexão da FC (PDFC) foi identificado em 85% dos sujeitos. Não houve diferença significativa na FCmáx (181 ± 12 e 181 ± 10BPM), PDFC (162 ± 10 e 172 ± 9BPM) e no %PDFCrpm (91 ± 4 e 90 ± 3%RPM-máx) entre os sexos masculino e feminino respectivamente. Por outro lado, RPMmáx (81 ± 6 e 72 ± 5RPM), %PDFC (90 ± 5 e 93 ± 3%FC-máx) e PDFCrpm (74 ± 6 e 66 ± 4RPM) foram significativamente diferentes. Assim, conclui-se que o teste de Conconi pode ser realizado em bicicleta aquática.

Identificação de limiares metabólicos em curvas de freqüência cardíaca ajustadas (2007)

Resumo / Abstract

O objetivo deste estudo foi comparar os ajustes linear e sigmóide da freqüência cardíaca (FC) durante o exercício
incremental e analisar a validade destes modelos para identificar os limiares de transição metabólica em exercício
progressivo, a partir de pontos de mudança no ajuste não-linear de Boltzmann. Dez “mountain bikers” de alto
rendimento (27,1 ± 7,4 anos; 67,0 ± 6,1 kg; 175,1 ± 4,1 cm; 6,1 ± 1,9 % de gordura) foram submetidos a teste
progressivo no ciclo-simulador, com carga inicial de 100 W e incremento de 30 W a cada 3 min até a exaustão. A FC
foi registrada batimento-a-batimento durante todo o teste. A curva da FC foi ajustada pela equação sigmóide
de Boltzmann, com cálculo do Ponto de Inflexão da FC (PIFC = valor fixo V50 da equação) e Ponto de Deflexão
da FC (PDFC = método Dmáx). No final de cada estágio, foi determinada a concentração sanguínea de lactato
([La]). O primeiro limiar de lactato (LL1) foi determinado através do cálculo do menor valor equivalente de
lactato/carga. Para o segundo limiar (LL2), foi acrescido 1,5 mmol.l-1 ao menor valor deste equivalente. Em
todos os atletas, o ajuste sigmóide da FC se apresentou mais adequado que o linear (p < 0,0001). O PIFC (161
± 10 bpm) e PDFC (179 ± 5 bpm) foram identificados em oito e sete sujeitos, respectivamente. A FC e a carga
do PIFC foram semelhantes às obtidas no LL2, enquanto que esses parâmetros foram menores no LL1 e maiores
no PDFC. Assim, é possível especular que o PIFC está no mesmo domínio fisiológico do LL2. Entretanto, foram
encontradas fracas associações entre os limiares de lactato com o PIFC e PDFC (-0,08 a 0,37).

Frequência Cardíaca de Recuperação Como Índice de Aptidão Aeróbia (2005)

Resumo / Abstract

A recuperação da freqüência cardíaca (FC) é utilizada como indicador de aptidão aeróbia. O objetivo deste estudo foi
associar índices de aptidão aeróbia com diversas fases da FC pós-exercício. Onze indivíduos foram submetidos a um teste
progressivo máximo, com a recuperação realizada passivamente. Foram identificadas a carga e a FC do ponto de deflexão
(WDMAX e FCDMAX), a FC e carga máxima (FCMAX e WMAX) e os valores absolutos e percentuais de queda da FCREC nos
minutos 1, 3 e 5 após o exercício. Foram encontradas associações entre WMAX com %FCREC 3 e 5 (0,832 e 0,708; p<0,05;
respectivamente) e com FCREC 3 (-0.766; p<0,05). A WDMAX foi associada apenas com os valores absolutos em 3 e 5 minutos
(-0,809 e –0,692; p<0,05; respectivamente). O melhor nível de aptidão aeróbia parece estar relacionado com o
comportamento da recuperação da FC na sua fase mediata, possibilitando uma queda mais rápida neste período.

© 2008-2017. «Race Pace». Treine Para Vencer.